Diabetes tipo 1 – Alimentação baixa em hidratos de carbono

Diabetes tipo 1 – Alimentação baixa em hidratos de carbono

Diabetes é um assunto que me toca o coração. Não por experiência própria, mas porque tenho família chegada com DMT1 (Diabetes Mellitus Tipo 1 – uma doença auto imune). Além disso, tenho alguns conhecidos e amigos com a mesma doença.

Assim, este artigo do Dr David Ludwig não me deixou indiferente. Confesso que foi doloroso ver as evidências e conhecer a realidade das indicações dadas pelo nosso actual sistema de saúde.

Não foi novidade, já há alguns anos que estudo Low Carb e Paleo. Por isso, estas evidencias do estudo comentado no artigo eram esperadas. Mas doeu na mesma mais esta consciencialização de como se mata, literalmente, os nossos doentes com diabetes.

Fizemos a tradução do artigo na integra, mantendo os links principais.

O artigo original pode ser lido aqui.

 

O controle excepcional da diabetes tipo 1 é possível com uma dieta pobre em hidratos de carbono?

O nosso estudo na revista Pediatrics está disponível aqui.
Um comentário que acompanha (vale a pena ler) está disponível aqui.
E um artigo do NY Times sobre as nossas descobertas, com uma perspectiva dos pacientes, está disponível aqui.
O maior desafio enfrentado por pessoas com qualquer tipo de diabetes, e especialmente a tipo 1 (“juvenil”), é controlar o açúcar do sangue depois das refeições. Depois de comer muitos hidratos de carbono, o açúcar no sangue aumenta rapidamente por 1 ou 2 horas. Mas a insulina necessária para controlar esse aumento pode causar um baixo nível de açúcar no sangue posteriormente. Apesar das mais recentes tecnologias para monitorizar o açúcar no sangue e administrar insulina, a maioria das pessoas com diabetes mellitus tipo 1 (DM1) enfrenta uma espécie de alto e baixo em cada refeição:

Hiperglicemia depois de comer ou hipoglicemia após algumas horas

Por esse motivo, a maioria das pessoas com DM1 tem altos valores de HbA1c (uma medida do controle de açúcar no sangue a longo prazo), indicando risco substancial a longo prazo para complicações graves, como insuficiência renal, cegueira e amputação de membros.

Uma abordagem conceptualmente atraente para melhorar o controle da diabetes é uma dieta pobre em hidratos de carbono. Com menos hidratos de carbono (especialmente produtos de grãos de digestão rápida, batatas e alimentos açucarados), o açúcar no sangue sobe e desce mais suavemente depois de comer, tornando mais fácil de acertar com precisão a insulina. E as pessoas com uma dieta pobre em hidratos de carbono requerem menos insulina total, fornecendo benefícios metabólicos para o controle do peso e a prevenção de doenças cardíacas.

O interesse na restrição de hidratos de carbono e dietas cetogénicas (quase eliminação total de hidratos de carbono) para diabetes tipo 2 – o tipo associado à obesidade em adultos – cresceu recentemente, com a publicação de vários estudos piloto promissores. No entanto, dietas pobres em hidratos de carbono não são recomendadas atualmente para o DM1, em que o corpo não pode produzir insulina, por medo de complicações, coma, cetoacidose, hipoglicemia severa e baixo crescimento em crianças. Isso, apesar do facto de que uma dieta com baixo teor de hidratos de carbono e gorduras ser o tratamento mais eficaz para a diabetes grave antes que a insulina fosse descoberta. Atualmente, a Associação Americana de Diabetes sugere uma dieta com 45% de hidratos de carbono, incluindo 45 a 60 gramas por refeição (embora eles também incentivem a individualização).

Fazendo a ligação

Eu não tinha pensado muito na restrição de hidratos de carbono para o DM1 antes de conhecer a Dra. Carrie Diulus numa conferência de nutrição em 2016. Carrie é uma cirurgiã ortopédica com DM1 que mantém os níveis normais de HbA1c com uma dieta com muito poucos hidratos de carbono.

Como endocrinologista, cuido de pessoas com diabetes há mais de 20 anos. Eu nunca vi alguém com DM1 e HGA1c normal após o período inicial de “lua de mel”. E, se o fizesse, eu esperaria que essa pessoa tivesse um problema hormonal não reconhecido e uma hipoglicemia frequente e grave. Carrie era o retrato da saúde. Além disso, ela disse que o seu controle da diabetes não foi a exceção, mas a regra numa grande comunidade de rede social de crianças e adultos que seguem uma dieta com muito poucos hidratos de carbono e outras recomendações do Dr. Richard Bernstein.

O estudo

Então, sendo um pesquisador do coração (e no trabalho como minha profissão diária), sugeri que fizéssemos uma pesquisa científica sobre essa comunidade.
Uma pesquisa é o que é conhecido como um estudo “observacional” – não um ensaio clínico. Mas, para documentar um fenómeno considerado inexistente pela maioria dos profissionais de diabetes, um estudo observacional é o primeiro passo certo a dar.

Depois de obter aprovação ética do Hospital Infantil de Boston, e liderados pela Dra. Belinda Lennerz, nós e nossos colaboradores estudamos cerca de 300 membros do grupo TypeOneGrit no Facebook, incluindo adultos e pais de crianças com DM1. Para conduzir nosso estudo com o máximo de rigor possível, também contatamos os prestadores de cuidados de diabetes e obtivemos registos médicos:

1) para confirmar que nossos participantes realmente tinham DM1; e 2) verificar os exames laboratoriais e outros desfechos clínicos.

Os resultados

Como hipotetizado, a média de HbA1c entre os nossos participantes foi de 5,67% – na faixa normal e bem abaixo dos valores médios para pessoas com DM1 de 8,2%. Muitos de nossos participantes tinham valores na faixa de 4% (!!!).

De forma reconfortante, os participantes relataram baixas taxas de complicações como cetoacidose diabética e nível baixo de açúcar no sangue. Não encontramos evidências de efeito adverso no crescimento entre as crianças. E, em geral, os fatores de risco cardiovasculares eram excelentes, com uma relação de triglicéridos para HDL-colesterol de 1,0, indicativa de resistência à insulina excepcionalmente baixa (embora o colesterol LDL estivesse elevado, provavelmente devido ao alto consumo de gordura saturada).


Essas descobertas sugerem que uma dieta pobre em hidratos de carbono pode ajudar a prevenir as complicações da diabetes a longo prazo
– uma possibilidade que precisa ser explorada em estudos randomizados controlados de alta qualidade.

Como os participantes do estudo se sentiram sobre essa abordagem, que envolve a restrição vitalícia de alimentos com alto teor de hidratos de carbono da dieta ocidental moderna?

Na maior parte das vezes, muito bem! Eles expressaram altos níveis de satisfação com o controle e a saúde da diabetes. No entanto, uma minoria substancial relatou conflito com seus orientadores de tratamento de diabetes. Alguns foram ensinados sobre ter uma HbA1c tão baixa e os “perigos” de restringir os hidratos de carbono na diabetes. Alguns pais nem sequer disseram ao médico do seu filho sobre a dieta com baixo teor de hidratos de carbono, com receio de que fossem acusados ​​de abuso infantil. Essa desconfiança, mais do que qualquer dieta, pode preparar o terreno para um evento catastrófico, se um paciente não procurar ajuda profissional em momentos de necessidade e tomar decisões de gestão de diabetes além das suas competências.

Esperamos que, com uma maior consciencialização sobre a dieta pobre em hidratos de carbono para o diabetes, a incompreensão entre pacientes e profissionais possa ser superada – para o benefício de todos os envolvidos.

Qual é o próximo passo?

O nosso estudo tem várias limitações importantes. Não sabemos a segurança a longo prazo e a eficácia das dietas com muito poucos hidratos de carbono na população em geral com DM1. Os nossos participantes estavam evidentemente altamente motivados e podem não ser representativos de todas as pessoas com DM1.

Outras questões importantes aguardam estudos adicionais, tais como se dietas menos severamente restritas (isto é, permitir mais frutas inteiras, feijões e talvez quantidades modestas de grãos integrais) podem fornecer benefícios qualitativamente semelhantes; qual a melhor forma de administrar insulina em conjunto com restrição de hidratos de carbono e atividade física; e como administrar a doença aguda, quando os níveis de açúcar no sangue e cetona aumentam. Portanto, os resultados deste estudo não justificam, por si só, uma mudança no controle da diabetes.Eu realmente preciso de alguém com diabetes para discutir quaisquer mudanças dietéticas com o seu fornecedor de cuidados com diabetes.

Apesar dessas limitações, os nossos achados levantam a possibilidade de que um melhor controle da diabetes do que se pensa atualmente possa ser possível – com a esperança de evitar complicações de longo prazo. Depois de muitas décadas focadas quase inteiramente em novas (e caras) drogas e tecnologia, é hora de voltar a focar no poder medicinal da dieta.

Fim do artigo.
Assim, espero que este artigo tenha sido útil para ti. Talvez, tal como eu, estejas familiarizado com a DMT1.
Finalmente, se tiveres um tema que gostarias que falasse aqui, deixa a sugestão nos comentários.
Tranquilamente,
Bela

 

Como continuar a receber conteúdo de qualidade?

 

  • Em primeiro lugar, todas as sextas feiras envio para os meus contatos um email. Ele contém informações e o resumo do que aconteceu na semana. Se queres receber, clica no atalho abaixo e diz-me em qual dos teus emails queres receber as minhas dicas.
  • Além disso, na plataforma Udemy tenho um curso. Ele ensina, passo a passo, como podes criar o Teu Estilo Paleo.

Podes encontrar-me, igualmente, nas redes sociais e no YouTube

  • Se queres seguir tudo o que se passa, a Página

Meu Estilo Paleo

é o elo de ligação entre toda a minha presença online.

  • Para um apoio individualizado e especializado, segue a minha página de

Coach e Mentoring

  • Além disso, podes vir fazer parte do nosso grupo no facebook

Grupo Meu Estilo Paleo

  • Queres ter tudo organizado e com um acesso fácil?

Podes seguir o nosso algum no Pinterest

  • Todas as 4ª feiras sai no nosso canal do YouTube um vídeo. Por isso convido-te a te inscreveres no atalho seguinte:

Podes te inscrever aqui